segunda-feira, 11 de junho de 2018

7 DICAS PARA ESCOLHER UMA POUSADA


- Nunca deixe para procurar uma pousada na última hora.  
Pressa ou ansiedade só irá lhe prejudicar. Muita calma nessa hora!

- Pesquisar na internet ou o comodismo das Agências virtuais?
Para começo de conversa, saiba que nem todas as pousadas são cadastradas no Bookink, Trivago etc. 
Visitando calmamente os sites dos meios de hospedagem, a possibilidade de acertar é maior. Para quem prefere a comodidade das agencias virtuais, há que se levar em consideração  que o custo da comissão está sempre embutido no preço da reserva. Entrando em contato diretamente com o pousadeiro que utiliza essa tecnologia alternativa de venda online,  provavelmente você terá um desconto. Considere também que nesse caso a maior parte das pousadas não costuma anunciar as suas melhores acomodações e sim as mais baratas.

- Evite transtornos e aborrecimentos! 
Procure saber tudo antes de fazer uma reserva. Analise os sites com atenção preferencialmente em um computador. No celular tudo é reduzido. Meios de hospedagem se esmeram na construção de um site. Normalmente têm todas as informações que você precisa, menos o preço da diária ou do pacote, que muitos pousadeiros preferem omitir por motivos que eu pessoalmente não concordo.  Veja tudo com atenção. Compare as pousadas locais e depois decida-se. Aí sim, entre em contato com a pousada uma eventual dúvida, formalize a pré reserva e solicite os dados bancários para a caução. 

- Dúvidas?
Tem gente que não tem paciência de esmiuçar um site. Vai direto na página de contato e telefona primeiro para depois pensar naquilo que vai perguntar.  Tem gente que quando telefona não lembra o nome da pousada que está consultando. Pior ainda, tem gente que nem sabe  se a cidade de destino é realmente aquela e liga para que o dono da pousada  o convença que é a melhor opção.  Pode uma coisa dessa?  Pense na situação do pousadeiro que interrompeu  algum trabalho para atender o telefone ainda tentando ser cordial com o infeliz.


 Se tiver alguma coisa no site que não ficou claro para você, a maneira mais segura de tirar suas dúvidas é sempre por e E-mail assim fica tudo registrado. Não sendo possível, telefone em horário comercial. Respeite horário de almoço, e horário noturno.  Vale lembrar que pousadas não costumam ter porteiros ou recepcionistas 24 horas. Isso é coisa de hotel. Normalmente é só o dono e a família mesmo.
 Desconsidere contato por WhatsApp que é coisa para desocupados.  


- Foque no seu objetivo.
Não disperse sua atenção“dando só uma espiada” em sites que não tenham nada a ver com aquilo que você realmente esteja procurando. Se, por exemplo, você não viaja sem o seu cão, esse é o fator mais importante. Procure exclusivamente  sites de pousadas que aceitam animais. E assim por diante.





- Fotos da pousada no site.  
Desconfie de fotos com pouca claridade. Desconfie também de sites com muitas fotos de flores, pássaros e paisagens  da região que não tenham nada a ver com a pousada em si. Em um site sério de pousada deve ter sim  fotos nítidas e claras das acomodações inclusive banheiros, refeitório, sala de estar, recepção e demais instalações. Opções de lazer definidas, localização inclusive com mapa, formas de contato  e descrições claras e objetivas de tudo incluindo tarifas. 
Difícil ver detalhes. Fica só na imaginação.

Dá pra ver detalhes como o piso higiênico, circulação de ar
mobília, vista externa e decoração.














- O famoso “jeitinho brasileiro”. 
Seja ético! Esse negócio de jeitinho brasileiro é démodé e hoje tem outro nome.
Aceite as normas impostas para o bom funcionamento da pousada ou escolha outra e ponto final.

Ilustrações tiradas da internet.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

NOSSOS OLHOS D'ÁGUA

2017 tem sido um ano bom para o progresso sócio ambiental de Analândia e região. Hoje, quero enfatizar a grande importância do Projeto Nascentes Analândia já em andamento, que visa a recuperação e proteção de nascentes da microbacia do córrego Cavalheiro que nasce no município de  Analândia.

Pela primeira vez nesses últimos anos, uma empresa especializada foi contratada pela Agência das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí para realizar gratuitamente os levantamentos necessários em quinze propriedades e também a execução das ações envolvendo restauração ecológica.
Felizmente os proprietários rurais aceitaram o projeto de bom grado e estão vivamente interessados. Além da valorização econômica, todos reconhecem a importância dos olhos d’água que brotam em suas propriedades. 

Água é VIDA!



Posteriormente creio que esse projeto deva se estender também aos outros córregos que originam o rio Corumbataí que é de fundamental importância para vários municípios na região.
São atitudes ecologicamente corretas como essa que contribuem para o bem estar de todos.
O turismo na Estância de Analândia certamente irá se beneficiar. Um local que já é bonito e encantador vai ficar ainda melhor.
No ano de 1966, a cidade de Analândia passou a ser considerada Estância Climática, por suas belezas naturais, pela qualidade da água e do clima, tornando-se um lugar muito procurado para descanso, para passeios e para o lazer que as suas belezas naturais propiciam àqueles que vão em busca do contato com a natureza e a hospitalidade de sua população.
Hoje Analândia tem uma população estimada em 4.500 habitantes. Sua economia está baseada na agricultura e no turismo. A cidade está a 675 metros acima do nível do mar e o seu maior potencial é o turismo ecológico em franco desenvolvimento.

Com um número adequado de boas pousadas, bons restaurantes e preços convidativos, o turista que visita a Estância sempre volta.






sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Analândia e Brotas

Analândia tem o status de Estância Climática desde 1966, portanto há cinquenta e um anos. Acordou para o turismo quando sua vizinha Brotas, na década de oitenta, começou a se projetar a nível brasileiro através dos esportes de aventura e ecoturismo. Nessa mesma época surgiu a dupla sertaneja João Paulo e Daniel que explodiu nas paradas de sucesso e colaborou muito na projeção e divulgação do nome da cidade

A principal fonte de renda do município de Brotas vem da agricultura canavieira. Depois de uma estagnação de mais ou menos cinquenta anos com o término do ciclo do café, voltou a crescer de forma sustentável e se desenvolveu através do turismo. É interessante observar como uma antiga forma de se divertir dos moleques da região que costumavam descer o rio Jacaré Pepira de boia, evoluiu  para a principal atividade turística local que é o Rafting.


 É obvio que não foi só isso. O sucesso de Brotas  no turismo ocorreu devido ao conjunto de fatores formado pelo momento por que passava o país, à privilegiada localização geográfica no centro do Estado, à topografia, à hidrografia e demais aspectos geográficos favoráveis, à visão empresarial de alguns, ao oportunismo e à união da população em torno de um ideal comum. Um modelo que deu certo e inspirou muitas outras localidades brasileiras. Mas é importante ressaltar que cada local tem suas particularidades.   Socorro, por exemplo,  que também despontou nesse ramo de atividade turística, precisou investir e inovar muito para criar sua própria identidade turística valorizando sua regionalidade.
Analândia é hoje um município praticamente três vezes menor e a população é cinco vezes menor que Brotas, mas tem um potencial turístico maior devido aos aspectos geográficos.
Construímos o Recanto Som das Águas na Estância justamente acreditando nessa potencialidade. Mas desde 1998 quando iniciamos nosso projeto, comparando com outros municípios, pouco foi feito. Mas agora estou sentindo que estamos passando por um bom momento com lançamento de novos projetos que vou comentar oportunamente.
Sobre gestão pública e  planejamento e urbanismo, vou pedir para uma amiga mais gabaritada escrever o próximo artigo desse Blog. 




sexta-feira, 18 de agosto de 2017

ESTANCIA, ATÉ QUANDO?

Estamos em agosto de 2017 portanto faz oito meses que um novo governo tomou posse. A população da nossa querida Analândia já começa inquietar-se em detrimento da expectativa por melhorias imediatas que vai se frustrando. Por outro lado, a prefeitura encalhada em uma dívida herdada da administração anterior da qual, vale lembrar, o atual prefeito exercia a função de vice-prefeito, tenta a duras penas reverter um quadro caótico trabalhando com boas intenções e parcos recursos. Situação difícil que se agrava diante dessa crise principalmente política e também econômica que nosso país atravessa. Mas o turismo está em alta e justamente essa é a principal atividade econômica da nossa Estância. Finalmente isso foi reconhecido!

O turismo no Estado movimenta até 56 setores da economia. Gera um milhão de empregos diretos e dois milhões indiretos. São Paulo é único Estado com políticas públicas voltadas à atividade turística, tratado como vetor de desenvolvimento social e econômico. O modelo possibilita estar na vanguarda do turismo nacional. Por isso, desenvolve uma política de fomento por meio da destinação de recursos do seu Tesouro, através do Fundo DADETUR (Departamento de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios Turísticos), para 70 municípios estâncias. Quase R$ 1,2 bilhão foi investido em 1.461 convênios para obras e ações de interesse turístico entre 2011 e 2016.


A notícia ruim para Analândia, é que esses recursos vindos do Estado correm o risco de serem interrompidos, caso a administração não regularize em tempo hábil algumas situações pendentes de caráter técnico e financeiro. Não bastasse isso, doravante as cidades privilegiadas com o título de estâncias terão que fazer por merecer esse status, fazendo direitinho a lição de casa e melhorando sempre seus atrativos turísticos inclusive também com recursos próprios. Até o fim do ano, deverá ocorrer aprovação de todos os 140 MITs,(municípios de interesse turísticos) como prevê a Lei, e o Estado terá quase um terço dos seus municípios voltados ao turismo. A cada período alguns daqueles municípios que se destacarem subirão no ranking atingindo o status de estância, passando a receber um montante bem maior de recursos. Em contrapartida, as estâncias com pior avaliação perderão seus status, passando à categoria de municípios de interesse turístico tendo assim seus recurso substancialmente diminuídos. Simples assim! É uma forma de premiar cidades que fizeram jus e souberam administrar bem os recursos recebidos com destinação ao desenvolvimento do turismo local e penalizar outras que administraram mal seus recursos.


Mostrando sua atenção realmente para com todos os municípios interessados, no início desta semana o Ministério do Turismo finalizou o relatório da regionalização do turismo. Ao todo 432 municípios paulistas estão cadastrados e divididos em 51 regiões. Com este reconhecimento será possível pleitear verbas federais através das propostas voluntárias e dos programas e projetos.
De acordo com o Ministério, o Programa de Regionalização do Turismo entende que, se o município pode contribuir ou ser beneficiado pela atividade turística, ajudando no desenvolvimento regional sustentável, ele poderá consequentemente participar de uma região turística, contribuindo com a cadeia produtiva do segmento.

Como lembra o governador Alckimin, “A atividade do turismo é responsável por 10% do nosso PIB. Recebemos mais de 50 milhões de turistas por ano. E isso gera mais de um milhão de empregos diretos e dois milhões de empregos indiretos no Estado”.


Dados: Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo

sexta-feira, 9 de junho de 2017

RECANTO - 2017

E lá se vai o primeiro semestre de 2017. Que ano turbulento! Quantas decepções com nossos representantes políticos! Será que esse país tem jeito? E Analândia?
Analândia, assim como muitos outros lugares desse nosso Brasil, sofre os efeitos dessa crise política nacional, pede licença, abre caminho, não se deixa abater e segue adiante tentando resolver seus próprios problemas da melhor forma possível.
Tivemos a sorte de começar o ano com um padre novo, por sinal muito simpático, e novos administradores e vereadores bem-intencionados querendo mostrar serviço.

Mesmo assumindo a prefeitura com muitas dívidas, o prefeito deu o exemplo.




  Prefeito dando exemplo de boa conduta  liderando grupo de moradores em mutirão de limpeza nos principais pontos com atrativos turísticos da Estância.







ANALÂNDIA
No ano de 1966, a cidade de Analândia passou a ser considerada uma das 15 Estancias Climáticas do Estado de São Paulo pela qualidade da água e do clima, tornando-se um lugar muito procurado para descanso, passeios e para o lazer. Depois de quase ter perdido esse status, agora corre atrás do prejuízo tentando se adequar novamente às normas exigidas pela Secretaria de Turismo do Estado.
Relevo com Cuestas Basálticas compõem o cenário




2017 NO RECANTO SOM DAS ÁGUAS
Começamos bem o ano com um Réveillon muito concorrido. As pessoas que escolhem Analândia vêm em busca de sossego, tranquilidade e aconchego. Nossa maior satisfação é receber hóspedes habituais que já se tornaram amigos e outros que terão essa mesma chance. 



O Carnaval na cidade não foi lá essas coisas pois a Prefeitura que costuma bancar a festa estava atolada em dívidas, mas quem veio na pousada se esbaldou nas cascatas do nosso Córrego do Retiro e curtiu nossos bichos.















Dando continuidade ao nosso projeto  social, esse ano disponibilizamos novamente o espaço para os alunos formandos do curso técnico em meio ambiente da Escola Alberto Feres de Araras para um dia de campo com palestras e aula de campo.




sexta-feira, 26 de agosto de 2016

ATRATIVOS TURÍSTICOS EM ANALÂNDIA E REGIÃO



ESTÂNCIA CLIMÁTICA DE ANALÂNDIA - SP




Analândia é um município que localiza-se na parte alta das cuestas basálticas do Estado de São Paulo, com formações típicas de Chapada.
Em decorrência de suas características geológicas e naturais, é grande o número de rios, cachoeiras e morros que estimulam o ecoturismo, turismo rural e a prática de esportes de aventura.

- Córrego do Retiro 
Atração principal da Pousada "Recanto Som das Águas". Atravessa  a propriedade e os hóspedes têm um acesso particular para se divertir. Água limpa que corre em um leito de pedras formando cascatas.




- Morro do Cuscuzeiro  
Cartão Postal da cidade. 
Atividades de lazer e esportes de aventura, camping, restaurante e lanchonete.











- Morro do Camelo 
 Localiza-se próximo do Morro do Cuscuzeiro. 
Acesso livre para visitantes. Vista panorâmica linda da cidade.







- Cachoeira da Bocaina 
 Com um volume pequeno de água caindo de uma altura considerável, compõe  um cenário realmente  deslumbrante. Propriedade particular, mas aberto à visitação mediante pagamento de ingresso.





- Cachoeira do Escorrega 
 Fica aproximadamente a 5 Km da cidade. Tem camping e restaurante.









- Salto do Major Levy 
 A maior cachoeira de Analândia. Local onde se encontram os córregos que formam o Rio Corumbatai. 
Fica logo na entrada da cidade com restaurante no local







- Cachoeira Monte Sião 
Limpa e muito bonita. Fica na divisa com a cidade de Pirassununga.








VALE A PENA CONHECER NA REGIÃO:


-Parque Estadual de Porto Ferreira

Além das belezas cênicas, as trilhas oferecem aos visitantes o contato com a natureza e a descoberta de seus encantos e riquezas. Uso público.


-Porto Ferreira | A cidade da decoração com preços absurdos de barato! 


-Parque Estadual Vassununga em Santa Rita do Passa Quatro

O Parque se destaca pela variedade e exuberância da flora, com algumas espécies ameaçadas de extinção como o jequitibá rosa, o cedro-do-brejo e o palpito jussara. Fica nesse local o maior e mais antigo jequitibá do Brasil.







-Cachoeira de Emas em Pirassununga
Rio Mogi-Guaçu. No local, ótimos restaurantes para se comer peixe.




-Vila Del Capo - O lugar ideal para um almoço ou jantar muito especial.



-Rancho da Tirolesa - Comidinhas especiais, tirolesa e vista deslumbrante.

-Casa da Cachaça Sabores do passado no centro de Brotas


-Parque dos Salto em Brotas



sábado, 16 de abril de 2016

FORMANDOS DE MEIO AMBIENTE NO RECANTO

Desde o início quando começamos com a pousada tínhamos planos de um dia poder compartilhar nosso Recanto com grupos de pessoas parecidas conosco. Aquelas  que valorizam a simplicidade e o bem-estar ao entrar em contato íntimo com a natureza.

Ontem, dia 15 de abril de 2016 tivemos a grata satisfação de receber os alunos do terceiro ano do curso de meio ambiente da escola Prefeito Alberto Feres de Araras, ligada a Fundação Paula Souza.

Monitorados pelo professor Alceu Seixa Jr. que mais parece um “paizão” da turma, os jovens chegaram bem cedo e foram acolhidos com um café da manhã.


Inicialmente tivemos um bate-papo informal onde procurei mostrar aquilo que sei sobre a hidrografia do rio Corumbataí que nasce em Analândia. O Córrego do Retiro que corta a nossa propriedade é um dos quatro riachos principais que depois irão se juntar para formar o Rio Corumbataí. Falamos também sobre o que é  Cuesta (geograficamente), noções de permacultura e agroflorestas e finalmente sobre manejo da terra com foco em erosão.

A seguir levamos os alunos para ver o resultado do nosso trabalho de reflorestamento sempre seguindo os princípios de sustentabilidade e manejo racional e natural do solo ao longo desses dezessete anos. É claro que quando os jovens chegaram no riacho não resistiram,  caíram na água e se esbaldaram.

O almoço foi preparado com muito carinho em nosso fogão a lenha.

Depois da sobremesa e sessão de fotos, fomos plantar a árvore que eles trouxeram. É um ato muito solene; quase um ritual que vai ficar marcado para sempre na lembrança de todos.






















Sem perder tempo, em seguida tomamos o ônibus e nos dirigimos para o alto da Serra do Cuscuzeiro. Muitas fotos e uma aula prática de geografia sobre relevo, chapadão, serras, cuestas basálticas, mesetas e tudo mais que se vê no local.


Finalmente um passeio até o Salto do Major Levi que é uma cachoeira linda que se forma com a união dos riachos que irão compor o Rio Corumbataí. Foi uma farra geral!


Lamento muito não ter podido levar esses jovens para conhecer a Estação de Tratamento de Água. Em Analândia, com dinheiro do Estado e com projeto dos alunos e professores da UNESP de Rio Claro, foi construída uma Estação de Tratamento natural há uns vinte anos mais ou menos. Depois de bombeada aqui do nosso riacho, a água vai para um lago com peixes que servem para o controle de agrotóxicos. Depois, por gravidade, essa água passa para outros dois lagos com plantação de arroz. Ocorre assim uma filtragem da água de uma forma natural e sem produtos químicos. O arroz  é colhido periodicamente e plantado novamente. Apenas no final do processo é adicionado (teoricamente...) o flúor antes da água ser distribuída.
Embora eu tenha feito um pedido formal ao prefeito e ao funcionário responsável, não conseguiram achar tempo para concertar a parte da fiação elétrica da bomba, tirar o mato que tomou conta do local e por tudo para funcionar. LAMENTÁVEL!
Hoje, por conta de ter menos trabalho, segundo informações que tive de forma extraoficial, foi perfurado um poço e é dele que vem sendo retirada a água que abastece esse setor da pousada. A E.T.A. passou a ser uma segunda opção quando a vazão de água do poço diminuí.

Mas esse fato triste foi contornado da melhor forma possível e a aula de campo foi um sucesso!